terça-feira, 30 de novembro de 2010

Florianópolis deve receber 1 milhão de turistas na temporada de verão

Para atender tantos visitantes, cidade investe em obras e passará por velhos problemas



O verão se aproxima e a demanda de turistas, de acordo com as previões da prefeitura de Florianópolis, aumentará 11% acima dos 900 mil visitantes da última temporada.


— Nunca tivemos tantos turistas quanto teremos agora —  prevê o recém-empossado secretário de Turismo, Homero Gomes.

Para atender tantos visitantes, muitos desafios terão de ser enfrentados pelo poder público. Gomes já começou a tomar medidas para tentar garantir a infraestrutura na cidade.A Operação Verão Floripa 2011 prevê, entre outras ações, fiscalização integrada contra vendedores ambulantes irregulares, aumento de 40% dos horário dos ônibus, 240 guarda-vidas, recolhimento diário de lixo e 200 novos táxis.

Apesar dos planos do secretário, moradores e turistas que já estão na cidade reclamam de problemas que poderiam ter sido solucionados mesmo antes de a estação chegar e de outros que não serão resolvidos a tempo.

Beira-mar norte de cara nova

As obras de 5 quilômetros de recapeamento da Avenida Beira-Mar Norte, estimadas em R$ 8,1 milhões, estão previstas para serem concluídas até 30 de dezembro.


Já os 10 quilômetros de revitalização da avenida — que incluem principalmente o alargamento da calçada, nova ciclovia e paisagismo — devem ficar prontos no próximo dia 15.

O Réveillon na Beira-Mar Norte deve atrair 400 mil pessoas para as atrações que terão a magia do circo como tema principal.

O espetáculo será o show Acqua, do Parque Beto Carrero World, além de atrações musicais e dos tradicionais fogos de artifício na orla e na Ponte Hercílio Luz. O investimento previsto para as festas de fim de ano é de R$ 2 milhões.


Mais pontos de informação

Para o recebimento de aproximadamente 1 milhão de turistas na temporada, a Secretaria de Turismo (Setur) vai ampliar o serviço de informação.

Doze novos atendentes, fluentes em inglês e espanhol, já foram contratados.

— Florianópolis é uma cidade com entradas e saídas definidas, então, controlamos o sistema de informação ao turista com postos em locais estratégicos como aeroporto, rodoviária, antigo Portal Turístico e no posto policial no Norte da Ilha, que concentra 80% do setor hoteleiro da cidade — diz o secretário Homero Gomes.

Problemas no Norte da Ilha

A Praia de Canasvieiras, a que mais recebe visitantes na temporada, passa por problemas de segurança e poluição. O argentino Carlos Malerba e sua esposa italiana Catarina Todaro vêm há 12 anos passar as férias no balneário. Para eles, o crescimento desordenado na praia está arruinando a região, que, na avaliação deles, está pior ano a ano.

— Um exemplo é isso aí — mostra Malerba, apontando para o Rio Beatriz, depósito de esgoto que desemboca no mar e cujo mau cheiro aumenta no verão. 

A mesma reclamação ambiental acontece na Praia dos Ingleses nos locais que, esporadicamente, ficam impróprios para o banho. A turista Aline Sobreira, de Belo Horizonte, reclama da sujeira, lixo, esgoto e da presença de cachorros na praia.

O secretário de Turismo admite que na cidade existem praias poluídas e limpas. Segundo ele, as poluídas não são turísticas, como as baías Norte e Sul.

— Já as praias turísticas são limpas e, ocasionalmente, ficam com áreas impróprias. Isso passa pela conscientização da comunidade em manter as fossas limpas e fazer a ligação na rede de esgoto e não na rede pluvial — responde Gomes.

Para ele, a solução é uma só: gestão compartilhada das praias, seguindo o modelo de Jurerê Internacional, que possui a certificação internacional de qualidade de praia Bandeira Azul. Trata-se de uma estrutura com participação do empresariado, associação de moradores e do poder público para gerar resultados mais rápidos.

— Mas não tão rápidos para o início da temporada.

Paciência na praia da Armação 
Depois das ressacas de 2010, que destruíram casas e estabelecimentos na Praia da Armação do Pântano do Sul, o lugar perdeu muitas oportunidades para hospedagem de turistas. José Carlos Nogueira, dono de uma pousada na região, estima em 60% a diminuição da procura. De acordo com ele, falta, entre outras providências, uma escada de acesso para que os turistas possam desfrutar do banho de mar.

O secretário alerta para a necessidade de aguardar o licenciamento ambiental, ainda sem previsão. Só assim será possível tomar qualquer medida para a urbanização da orla da praia.

— Os moradores terão de ter paciência. O imediatismo não é aliado às melhores soluções. Assim que o licenciamento ambiental sair, iremos fazer a urbanização da orla, revitalizando toda a região — promete o secretário.

Para quem acredita que o Sul da Ilha está abandonado e sem investimentos públicos, como diz a moradora da Armação, Carmen Silva, o secretário assegura que uma série de atividades culturais e esportivas será destinada para essa região.

Engarrafamento certo

A frota de veículos praticamente triplica em Florianópolis na temporada de verão. A SC-401, que liga o Centro com as praias do Norte, não foi duplicada totalmente. No sentido Sul, a SC-405 não recebeu uma terceira pista.


Mesmo assim, o secretário não acredita que o trânsito possa espantar os turistas.

— O problema de engarrafamento em Florianópolis será certo, mas isso não vai afastar os turistas — analisa.

O secretário garante que haverá um aumento em 40% dos horários de ônibus que deve entrar em vigor a partir de 20 de dezembro.

Mais policiais nas ruas

Sobre a questão da segurança pública em áreas críticas como no Centro da cidade, o secretário de Turismo Homero Gomes garante que a Polícia Militar (PM) vai aumentar o efetivo.

  

Profissionais do interior do Estado serão escalados para auxiliar na Operação Verão Floripa 2011. Serão 1,7 mil policiais nas ruas da Capital. Além disso, a fiscalização de ambulantes nas praias será integrada entre a PM, Guarda Municipal, Fundação Municipal Meio Ambiente (Floram), Vigilância Sanitária e Secretaria de Segurança Pública (Sesp).

Nenhum comentário:

Postar um comentário