quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Secretaria Estadual do Ambiente mantém embargo de obra do resort

Angra dos Reis

A secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, reiterou na tarde de hoje o embargo à construção de um complexo hoteleiro turístico e residencial - "Angra One" - localizado no bairro Frade, em Angra dos Reis. O embargo foi feito na segunda-feira pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), órgão executivo da secretaria. Segundo a secretária, a ação será mantida até que denúncias sobre possíveis danos ambientais sejam devidamente apuradas.

- Após vistorias na área, os nossos técnicos notaram uma supressão de vegetação em área superior à autorizada.
Além disso, haviam intervenções mal conduzidas de terraplanagem que teriam provocado erosão e carregamento de terra para áreas de preservação da baía da Ilha Grande. Embora o empreendimento não esteja irregular, uma vez que a obra dispõe de licença ambiental, condicionantes ao projeto podem ter sido desconsideradas. Por isso, mantive o embargo até que o caso seja devidamente solucionado - afirmou Marilene.

Vistorias identificaram irregularidades
Reforço: Embargo em construção de resort em Angra é mantido pela secretária Marilene Ramos

O empreendimento do grupo Caesar Park estava cometendo irregularidades graves em sua terraplanagem. Após cinco vistorias no local, os técnicos do Inea comprovaram a supressão de vegetação e intervenções mal conduzidas de terraplanagem. O Instituto informou que emitirá parecer técnico assim que a construtora apresentar a planta topográfica da área de vegetação suprimida, conforme exigência do órgão, para então verificar se a extensão avança sobre o manguezal. Caso seja constatado dano ambiental, a empresa será obrigada a reparar o estrago, além de pagar multa, ainda sem valor estipulado.

- A vistoria constatou que a movimentação de terraplanagem não estava tendo gestão adequada, tendo escorregando material para o manguezal e para a água. Outras vistorias mais detalhadas serão feitas, pois passaremos o pente fino para verificar cada item, mas é certo dizer que emitiremos uma multa que ainda não há valor aproximado - afirmou o presidente do Inea, Luiz Firmino Martins Pereira.

O complexo, que tinha previsão de entrega para início de 2014, tinha cinco tipologias de produtos: bangalôs, villages, casas, casas premium e resort. O "Angra One" estava recebendo um investimento de R$ 300 milhões para combinar com o conceito de segunda moradia à conveniência de serviço de hotel cinco estrelas.

Os responsáveis pela construção do resort em Angra se disseram surpresos com o embargo. De acordo com Paulo Fabbriani, diretor da Fator Realty, controladora do empreendimento, todos os cuidados ambientais estavam sendo rigorosamente tomados.

do Diario do Vale

Nenhum comentário:

Postar um comentário