terça-feira, 8 de março de 2011

Sobram vagas de trabalho em plena temporada

Profissionais do turismo optam por outros Estados em busca de melhores salários

Os hotéis, restaurantes e bares de Balneário Camboriú sofrem com a falta de funcionários durante a temporada de verão. É comum observar placas que oferecem empregos nos estabelecimentos voltados ao turismo. Alguns profissionais da área do turismo e hotelaria escolhem outros Estados brasileiros para trabalhar. O motivo dessa evasão seria a procura por melhores condições de trabalho e salários compatíveis com a função.

A presidente do Sindicato dos Empregados no Comércio Hoteleiro, Restaurantes, Bares e Similares (Sechobar), Olga Ferreira, explica que a categoria é pouco reconhecida e deveria haver um consenso entre a classe patronal para oferecer melhores condições de trabalho. "A nossa classe trabalha aos domingos, feriados e até mesmo durante o Natal. A meu ver este é um dos motivos que desestimulam os profissionais", revela. Olga explica ainda que alguns associados optam pelo trabalho na área da construção civil. "Neste tipo de trabalho ganha-se mais, além de não trabalhar durante os finais de semana e feriados", explica. Olga afirma que seria preciso um plano de ação junto à Secretaria de Turismo do município para garantir a vinda de turistas durante todos os meses do ano. "O quadro administrativo é efetivo, pois nesta área não se trabalha nos finais de semana. Já o operacional, como camareiras e garçons, precisa trabalhar diariamente. Além de ser um emprego sazonal", diz. "A efetivação traria mais estabilidade ao quadro operacional de funcionários", afirma.
Outra questão que envolve a falta de mão de obra é a evasão de profissionais para outros Estados. A cidade possui um curso universitário que forma bacharéis de turismo que não são reconhecidos na região. Os recém formados escolhem empregos em resorts localizados principalmente no nordeste e sudeste do Brasil, onde o fluxo de turismo é intenso, independente da época do ano. "Além dos resorts temos os cruzeiros marítimos. Vários profissionais da região deixaram o emprego na cidade em busca de oportunidades melhores", diz a presidente do Sechobar.

Acordo
Recentemente, o Sechobar conseguiu fixar o piso da classe para R$ 760 em Balneário Camboriú e Navegantes. Agora, o sindicato busca trazer melhorias para os empregados de outras cidades, como Itajaí, onde não houve consenso entre a classe patronal. Enfrentando uma rotina diária de visitas a empresas do setor, funcionários e diretores do sindicato continuam com a campanha de adesão ao acordo já iniciada no final do ano passado. Trata-se de um acordo individual que propõe uma equiparação de salários ao que é praticado em Balneário Camboriú. Até o momento, 106 empresas de Itajaí concordaram com os termos que garante aos trabalhadores o piso salarial inicial de R$ 675,00 e de R$ 760,00, após cumprido o período de 120 dias de contrato de experiência.



http://www.jornaltribuna.com.br/cotidiano.php?id_materia=37695

Nenhum comentário:

Postar um comentário