terça-feira, 24 de abril de 2012

Onde estão as boas vindas!

Não faz pouco tempo que estou na hotelaria, posso dizer de boca cheia que tenho mais de 20 anos de estrada, e olha que estrada, eu mesmo trilhei meus caminhos e digo de boca cheia que a hotelaria é mais do que uma paixão, além de uma realidade, é um verdadeiro prazer fazer o que faço.

Sou daqueles que pegou a hotelaria pelas unhas, aprendi da melhor maneira possível que somente nos melhores hotéis, nos dias de hoje, pode se encontrar o de começar carregando malas, lavando pratos, faxinando as áreas comuns, limpando banheiros, enfim, aprendendo a profissão pelo o que ela é de fato... SERVIÇO.

Lembro-me da primeira vez que entrei em um hotel, devia ter uns 8 anos de idade e estava acompanhando meu pai, que na época era importador/exportador; naquela época não havia computadores, a mera menção deles era no cinema em filmes como “2001 uma odisseia no espaço” ou na série “Jornada nas Estrelas”.

eu com 2 anos
Naquele dia, não tinha aula e meu pai foi buscar um de seus clientes no aeroporto, num carro com chofer (o antigo diplomata), pra mim era coisa de cinema, o chofer com quepe me ofereceu um copo com agua gaseificada que vinha numa garrafa com um bocal de jato (nunca me esqueço, acabei derramando agua no banco da frente, ainda bem que era de couro), encontramos com o cliente de meu pai, um senhor de trajes comum, nada especial (e eu achando que iriamos buscar o presidente) e fomos deixa-lo em um hotel, que também não era nada luxuoso, mas sim um antigo hotel do centro de São Paulo.

Quando chegamos lá, o saguão me impressionou um senhor com roupas de capitão naval abril as portas e tirou o quepe e num aceno me deu as boas vindas, um rapaz magrelo logo veio ao alcance do cliente de meu pai e pegou todas as malas que trazia uma moça muito bonita e com um batom “vermelhão” e cabelos dourados e olhos bem marcantes chegou até mim e com um sorriso me perguntou se eu iria me hospedar... Lógico que corri pra trás das pernas de meu pai de tão envergonhado... E então me ofereceram um suco, e que maravilha de suco, me lembro até hoje e é um de meus preferidos, um belo copo de suco de caju gelado (e com direito a canudinho).

Depois disto voltamos pra casa, e quando não a minha felicidade de saber que no dia seguinte iriamos buscar o cliente de meu pai para sair e mostrar a cidade.

achei no google
http://moradadasnuvens.com.br/
No dia seguinte fomos ao hotel, passei gel nos cabelos pra ficar mais “chik”, com 8 anos de idade... Há... Não era para menos, novamente outro senhor de roupa de capitão abriu as portas, outra moça muito bonita se aproximou, meu pai falou alguma coisa pra ela e de pronto estávamos num restaurante, sentamos e perguntei para o meu pai: - Pai é muito cedo pra almoçar! Meu pai com um sorriso disse: - Vamos tomar café da manhã. E qual o meu espanto, nunca tinha visto um restaurante de café da manhã.

Dali a pouco um garçom aparece com uma bandeja cheia de coisas de café da manhã, frutas, cereais, sucos e me perguntou se queria algo em especial, pedi ovos pochet (que meu pai sempre fazia aos domingos, e não era domingo, mas me senti no domingo) e é claro: suco de caju.

O tempo passa, o tempo voa, e então eu me vejo fazendo tudo aquilo que me fizeram quando tinha 8 anos, só que agora eu com 20, no auge da juventude, (nunca fui belo, mas num domingo de chuva eu era incrível).

Minha filha fez o favor de fazer esta imagem!
O tempo passa, o tempo voa, e agora estou eu atrás de um computador (não muito diferente do computador que o Sr. Spock usava), escrevendo justamente sobre isto, e de hotel em hotel, vocês leitores conseguiriam me dizer em quantos hotéis eu encontrei aquele atendimento que tive com 8 anos de idade e que marcou em minha memoria até hoje?

Isso mesmo, nenhum, zero, neca de pitibiriba, nada, niente, nes past, none, mana, e mesmo na era da informação, com mais automação, nem sequer um cafezinho chinfrim se encontra em alguma recepção de hotel, e isto nesta capital paulistana.

Ah! Mas com certeza alguém vai me dizer, em tal hotel tem, e eu lhe repondo, com certeza, mas podem me dizer que nos mais de 5.000 meios de hospedagem que existe na cidade, em quanto encontramos algo daquela maneira?

Alguém pode me demonstrar como se eu fosse uma criança de 8 anos de idade, onde, em qual hotel, mesmo o de extremo luxo, podemos encontrar um atendimento daqueles dos idos anos 1970?

Devo estar louco, ou devo estar já ficando gaga, com meus poucos anos de vida, apenas 40 me impressiona como a coisa mudou de 10 anos pra cá, recepcionistas que não te olham no rosto, “sistemas” que são culpados por tudo, suco de saquinho servido em buffets mal montados de café da manhã, espelhinhos que caem quando ascendemos à iluminação.

Meus caros: a hotelaria vai de mal a pior, pelo menos os superluxuosos não deixam a peteca cair no que tange manutenção, e os pequeninos dão um banho de hotelaria (mas estes não estão na cidade). Pasmem mas borracharias, cabeleireiros, videntes, padarias, sapatarias, estão hoje fazendo o que a hotelaria fazia há 30 anos e estão dando um show de hospitalidade (e espero que continuem), mas os hotéis, que agora correm atrás de um lucrinho chinfrim, pra mostrar pra mamãe como ele é “bão” de matemática, estão sendo liquidados, arrasados, trucidados, mas pra que se preocupar não é mesmo, estamos lotados até a cabeça!

Se tivéssemos quartos a mais estaríamos alugando!

A diária média está a cada dia que passa mais e mais alta!

Mas lembre-se, até o Egito teve 7 anos de vacas gordas, que foram engolidas por outros 7 anos de vacas magras! (e precisou de alguém que foi tomado como escravo pra lhe dizer que precisavam tomar jeito)






Mario Cezar Nogales
Consultor Hoteleiro


Um comentário:

  1. Meu Amigo diz que falar a verdade à vezes dá cadeia rsrsrsrs Infelizmente você está CERTO onde está a velha e Boa hotelaria? Onde estão os Hoteleiros? onde está o prazer em servir e principalmente o conhecimento e a destreza com que fazemos isso e ensinamos já que nos é natural? É muito diferente o que nós fazemos, do que o que fazem nossos alunos e o motivo é muito simples, NÓS FAZEMOS PORQUE GOSTAMOS É EM NÓS ATENDER E SERVIR eles fazem esperando o salário medíocre de que reclamam, quando cheguei ao Brasil tive que andar para trás para começar e iniciei como chefe de recepção onde estive só 3 meses logo foi percebido que algo era bem diferente. Chefe de recepção e um 4 quase 5 estrelas 5(afinal eu estava lá) em 4 meses comprei um carro. Não, não era o salário que era bom, era eu que me distinguia muito de todos e isso me rendia gorjetas que chegaram a ser em uma semana maiores que o salário do mês. Mas quem estiver lendo isto e for da profissão lembre-se sempre de uma coisa: A O QUE EU FAZIA PELAS GORJETAS (VULGA CAIXINHA) FAÇA POR PRAZER, DÊ DE SI O MELHOR E A CAIXINHA É UMA CONSEQUÊNCIA NATURAL.
    Lia a sua postagem e estava me lembrando que nessas andanças pela vida, numa de minhas chegadas a um hotel, o motorista do taxi quase bateu no capitão porteiro para ele tirar as malas do carro (TRISTE REALIDADE), menos mal o atendimento na recepção e no Restaurante merecem nota alta, mas 10 em hotelaria - para nós fica difícil. Abraço Amigo.

    ResponderExcluir