sexta-feira, 11 de maio de 2012

O turista que você não vê

Já parou para pensar os vários equívocos conceituais que popularmente temos sobre hospedes e turistas?

Não é atoa que a maior parte do país acha que vai ser pós Copa e pós Olimpíadas que o país vai dar a guinada, apesar de ser certo que quando a maioria imagina o que vai acontecer, acaba acontecendo, há algumas realidades que não podemos deixar de notar.

Lembremos que o turista, mesmo que falem a nossa língua, ainda são estranhos em terras estranhas.

“A maioria dos turistas são de estrangeiros” 

Apesar de parecer correta a afirmação, muitos não se dão conta do verdadeiro numero de turistas, e não precisa ir até o Mtur ou EMBRATUR (segundo estas fontes o brasileiro gastou com turismo nacional mais de 71 bilhões contra apenas 10 milhões gastos por estrangeiros), basta checar as estatísticas dos próprios hotéis, esmagadoramente o maior filão de seus turistas são nacionais, em todos os âmbitos, sejam hotéis para turismo executivo, sejam para turismo de laser.





“A maioria dos turistas usam, como meio de transporte, aviões”. 

Está afirmação está longe de ser uma realidade, a maioria dos turistas usam seus veículos para viajar, seja a negócios ou laser, uma pequena saída de 100 km também é turismo, há cidades inteiras que dependem destes turistas de final de semana, principalmente em grandes feriados.





“O turista só viaja a passeio” 

Podemos dizer que em parte é uma afirmação correta, mas não nos esqueçamos de que o turismo de negócios sempre foi oque mais existiu, isto me lembra dos caixeiros viajantes, verdadeiros desbravadores do turismo, indo de cidade em cidade como um estranho, mas a negócios, conhecendo e usando os mesmos serviços que os turistas a passeio, pois também precisa de hospedagem, alimentação e espaço para desenvolver seu trabalho. Também não podemos nos esquecer dos famosos sacoleiros, não é o brasileiro que vai ao Paraguai, mas sim o brasileiro que vai às capitais buscar produtos para seus negócios.

“Não sou turista porque sou brasileiro” 

Mesmo que brasileiros residentes nos estrangeiros não se considerem turistas, ainda assim o são, depois que um brasileiro passa a residir no estrangeiro por mais de 12 meses, já é considerado residente e domiciliado naquele país, até mesmo a Receita Federal tem um campo para a declaração do IR com este proposito. Quando este brasileiro desembarca em terras tupiniquins o preenchimento no formulário de entrada é: visita a parentes e amigos, logo este brasileiro que “não é turista” vira de fato um turista.




“Para ser turista preciso comprar um pacote de turismo”
De fato, parte desta afirmação é verdadeira, mas isto não quer dizer que qualquer pessoa não possa fazer todas as reservas de hotéis e transporte diretamente e dependendo do como se faz, ainda sai mais vantajoso e acaba descobrindo mais lugares exóticos em sua própria cidade, vejam o exemplo da Baia de Guanabara, de um lado a cidade do Rio de Janeiro, mas basta um barquinho pra descobrir que a 15 km dali existe uma região de conservação e uma ilha onde não se usa carro.





“Sou um viajante, hospede, mochileiro por isso sou turista” 
Não é só isto que te faz um estranho em terras estranhas, você pode se afirmar como turista mesmo em bairros diferentes do seu, afinal de contas o grande movimento moteleiro se deve a este turista, ou seja, você mesmo. Muitas vezes nos enganamos em afirmar este ou aquele é turista quando na verdade não vemos a nós mesmos como tal, quem nunca esteve num bairro totalmente estranho e teve que buscar um posto de gasolina ou mesmo uma farmácia, ou então, por qualquer motivo que for, teve que buscar um meio de hospedagem.

Alguns fatos provocantes
Desde a nova conceituação de meios de hospedagem para fins de classificação feita pela EMBRATUR, vários destes, que antes não podiam contar com uma classificação, agora são contemplados. Isto quer dizer que todos os meios de hospedagem são importantes, nenhum deles é irrelevante e todos devem ser levados a sério, hoje os meios de hospedagem que podem e devem receber uma classificação EMBRATUR são: Hotel e Resort que já recebiam classificação; Hotel Histórico, Pousada, Flat ou Apart Hotel e o Cama e Café que agora também podem contar com esta classificação.

Não é atoa que o Brasil ao se modernizar criou o Ministério do Turismo em 2003, justamente para regular e regulamentar sobre as questões de turismo e com a prioridade de estimular o turismo em terras tupiniquins, algumas de suas ações são responsáveis pelo grande crescimento do turismo e pessoas que antes nãos e achavam capazes de serem turistas hoje movimentam alguns milhões, pra não dizer bilhões de reais nesta esfera.

Ainda estamos longe de ter aquela excelência turística, mesmo que tenhamos dimensões continentais, ainda não levamos a sério nosso próprio turismo interno e quando começarmos a fazer isto, que venham os estrangeiros... Será apenas uma consequência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário