sexta-feira, 6 de julho de 2012

O futuro da hotelaria, hoje!


Mario Cezar Nogales
Consultor Hoteleiro
contato@snhotelaria.com.br
Em face de toda tecnologia existentes atualmente muitos empresários hoteleiros pouco avaliam os caminhos que a hotelaria deva seguir ou até mesmo tem seguido nestes últimos 20 anos.

Se começarmos uma analise profunda nos serviços prestados pela hotelaria nestas duas décadas, poderemos observar que houve um grande avanço tecnológico com relação a maquinas e equipamentos.

Com as facilidades geradas por este instrumental mecânico, houve uma drástica redução no numero de colaboradores que fazem a vida das unidades hoteleiras, que, economicamente, deveriam ter tido um considerável ganho financeiro, até mesmo pela quantidade de serviços que acumulou com as facilidades geradas pela tecnologia, mas de fato isto não aconteceu.

Mesmo que os salários sejam julgados como um fator de higiene (de acordo com a pirâmide de Mazlow), o que impede, em muito para que os salários do setor aumentem de acordo com o crescimento tecnológico, são os caríssimos impostos sobre a folha de pagamento que chegam ao absurdo de quase 115% por cada centavo pago ao colaborador, adicione a isto os acordos sindicais que em média são uns 20% a mais em benefícios como assistência médica e etc. dos salários pagos aos trabalhadores que você percebe o quanto custa realmente um colaborador seja em qualquer ramo de negócio.

Com esta condicionante fiscal, continue adicionando: o baixo nível intelectual e escolar de nosso país, a falta de infraestrutura em todas as cidades que começamos a perceber os motivos da queda na hospitalidade dos últimos 20 anos em todas as regiões. Isto é equivalente a perda de qualidade de vida que o brasileiro vem sofrendo paulatinamente.

Enquanto isso, na América do Norte e todos os demais continentes, sem exceção, a hotelaria deu um salto evolutivo no que se diz HOSPITALIDADE. Além dos equipamentos ultramodernos, UH’s inteligentes, Infraestruturas supereconômicas em termos energéticos, o que reduz consideravelmente os custos operacionais, os salários do setor nunca estiveram tão altos, propiciando um alto valor agregado e a disponibilização de novidades e evoluções hospitaleiras que é à base de qualquer hotelaria. Fora o conforto que nos proporciona a tecnologia atual, o passo evolutivo hoteleiro real já está se dando com o foco, como sempre foi, nas necessidades e expectativas dos hospedes.

Todo hospede, seja ele a trabalho ou a lazer, busca nos hotéis uma qualidade de conforto acima da existente em sua própria casa; focados nisto, a hotelaria internacional vem investindo em algo que impar e de alta necessidade a todos sem exceção que é o tempo para si mesmo.

Este passo evolutivo na hospitalidade dos hotéis está intrinsicamente ligado a esta questão: como proporcionar uma experiência definitivamente diferente e única para cada hospede, onde ele encontre tempo para si e para a sua evolução como ser humano. Serviços como: salas de massagens ligadas à estabilidade emocional, salas de meditação e yoga, faça você mesmo o seu jantar com produtos integrais e orgânicos acompanhado por chefs, podem até mesmo ser encontrados nos aeroportos de países como Estados Unidos, Índia, Japão, China, Rússia, e por toda Europa.

Infelizmente em terras tupiniquins temos que reeducar o recepcionista a que pelo menos olhe para o hospede quando ele está no balcão da recepção querendo fazer o check-in.

É este o desafio da hotelaria nacional: Melhorar a Hospitalidade em níveis de pelo menos de 20 anos atrás e em seguida evoluir, pois nossos concorrentes estrangeiros já estão com pelo menos 50 anos de vantagem neste quesito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário