segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Apagão profissional ou apagão intelectual?

Cezar Nogales
SN Hotelaria
contato@snhotelaria.com.br

A pouco li um artigo intitulado “porque a hotelaria brasileira é tão improdutiva?”, obviamente o tema chama a atenção, e quando chama a atenção é sempre bom ler e compreender seu conteúdo. Contudo e infelizmente, o artigo não tem a profundeza necessária para descobrir de fato o porquê a hotelaria em terras tupiniquins é tão improdutiva, alias improdutiva?

Nunca vi nenhum setor, seja ela primário, secundário ou mesmo terciário como são classificados os serviços receberem tamanha gama de investimentos em tão pouco tempo, chegando a patamares dos BILHÕES DE DOLARES de investimento, tanto nacionais como internacionais, e ainda assim, improdutivas?

As mensurações em questão de produtividade em terras nacionais, de fato são as seguintes: uma camareira pode produzir em 7h20m 20 UH’s arrumadas, uma recepção com 4 recepcionistas é capaz de atender um hotel com até 120 UH’s, um gerente geral no Brasil é capaz de gerenciar um hotel, sem que tenha chefes em outros setores (excetuando A&B), e com apenas um auxiliar um hotel com até 70 UH’s e ainda assim no Brasil a hotelaria é improdutiva? (os números são idênticos ou até maiores que na maioria dos hotéis pelo mundo).

Outras mensurações em questão de rendimento chegam a patamares onde o Lucro Operacional Bruto chega aos  35% a 40% da Receita Total do Hotel, e ainda assim a hotelaria nacional é improdutiva?

Frederick Taylor deve estar se revirando em seu túmulo ao ouvir tais estapafúrdias sem nexo e sem uma visão apurada do que é realmente o negócio hoteleiro, ele como “Pai da Administração Científica” foi o primeiro a fundamentar questões de produtividade atreladas a desempenhos individuais dos colaboradores, setores e unidades de negócio.

Obviamente o chamado ou apelo da chamada para o artigo não fez o menor sentido quando se tratam de números de fato ou seu total e completo desconhecimento de causa, ainda assim, apelando ao jocoso  falar de “pseudos isto ou pseudos aquilo”.

Sempre fico com uma pulga atrás da orelha quando as agências de noticia massificante, que hoje apenas cumprem a função de manipulação de massas e censura, iniciam seu processo de manipulação das noticias com fins obscuros da grande teia que a domina, mas está é outra história.

O importante aqui é a real percepção do que está de fato acontecendo com a hotelaria e não é um apagão de profissionais, mas sim um apagão intelectual.

Hotéis, por sua natureza, são baseados em serviços a serem prestados a outros que pagam por ele, isto quer dizer que o hotel não vende outra coisa senão hospitalidade, aqueles hotéis que vendem quartos estão fadados ao ostracismo e é o que de fato vem ocorrendo.

Cada vez mais e mais gerentes são levados a crer que hotéis foram criados tão somente para a geração de renda, quando na verdade a renda destes é um mero meio e não um fim. Obviamente que resultados positivos mantêm a vida do hotel, contudo, hospedes não querem se sentir um número (apesar que há aqueles que assim o querem).

Hospedes, por sua natureza buscam conforto e tranquilidade em um local estranho e em terras estranhas, mesmo que o este fale a nossa língua, e o centro de sua busca sempre será a hospitalidade.

Então se os hotéis devem ser criados para oferecerem hospitalidade e hospedes procuram por hospitalidade o que vem ocorrendo em terras brasilis? O que de fato acontece em terras brasilis é o fato de que os profissionais que estão entrando ou estão na hotelaria, em sua maioria, não estão lá para oferecerem hospitalidade, estão lá para oferecerem quartos e realizarem lucros para empresas que administram hotéis que levam estes ganhos ao estrangeiro já que os ganhos aqui são tão absurdos que estes o fazem brincando sem de fato se importarem com o verdadeiro esquema hoteleiro.

Logo e de fato, é o apagão de pessoas que queiram trabalhar na hotelaria estejam na hotelaria, uma vez que estas, que verdadeiramente gostam de trabalhar com hospitalidade, o estão fazendo em outros setores, dando um show de atendimento e hospitalidade assim como sendo pagos devidamente com o que fazem.

Obviamente que estes “estudiosos” e “especialistas” no assunto sempre vão culpar causas externas a causa, seus exemplos sempre são: uma carga tributária de 40% (que é igual ao da Holanda), a falta de educação de fato (o índice boliviano é maior que o brasileiro), a corrupção generalizada no país (estamos quase no primeiro lugar), o verdadeiro estado de guerra que vive o país (50mil assassinatos ao ano, quando no Iraque em toda a guerra morreram 30mil), e ainda assim a hotelaria nacional apresentando aqueles índices de rentabilidade com uma produção igual ou até maior que em outros países.
Nos estados unidos, mais propriamente em New York City (para fazermos a comparação com São Paulo) uma camareira ganha por hora US$ 8,00 o que em 44hrs semanais chegam a receber R$ 704,00 por semana (ou R$ 2.816,00 em 4 semanas), conquanto a mesma paridade aqui é de no máximo R$ 1.200,00 e olhe lá.

O lucro operacional bruto deste mesmo hotel em New York City não chega a 15% da receita total e ainda assim, algum “especialista” vem dizer que em terras tupiniquins não há produtividade?

De fato não há produtividade mental, há mais de 20 anos não se produz nada intelectualmente novo por aqui senão vomitar aquilo que os jornais querem que seja vomitado para fins ainda obscuros e de propósitos diabólicos ou então educação e artigos simplopérios sem nenhuma meditação sobre o tema.

Contudo, dou graças aos céus que esta terra permite que possamos discorres e ter pontos antagônicos, afinal de contas, quando todos estão pensando da mesma forma, quer dizer que ninguém está pensando.

Nós da SN Hotelaria e Águia Consultoria podemos garantir que seu hotel não está improdutivo, (sem a necessidade de consultar a Princeton ou qualquer outro, nós produzimos nossas pesquisas e não apenas copiamos a de outros) e se o seu rendimento não está nos patamares desejados é porque você não está fazendo com que seu hotel esteja a serviço da hospitalidade e com certeza está sendo mal administrado, por que algum especialista lhe disse que fundamentalmente seu hotel é um número.

Hotelaria de fato é algo subjetivo, algo incoerente com a lógica dos cérebros esquerdos, é algo mais aproximado aos sentimentos e paixões dos cérebros direito, isto porque a hotelaria é de fato hospitalidade, que é algo que ninguém, nem mesmo intelectuais conseguem de fato definir ou demonstrar, já que a hospitalidade é algo que ao mesmo tempo é uma utopia e uma prática.

Até o próximo artigo

Um comentário:

  1. Eu acho que você andou lendo algo que alguém publicou copiando. Excepto claro pelos Nrs, que ou se é administrador Hoteleiro de fato, ou não se chega neles com essa exatidão. Será que sabem que um de nós multiplicou por dois os custos de um hotel e por seis a receita. Auferindo no caso um lucro de 190,43% e claro que mesmo depois da carga tributária este fica bem perto dos 100%. A diferença é que além de Hoteleiro se preocupou durante esse ano (foi feito em um ano) em vez de escutar as Baboseiras dos "especialistas" fazer o que tinha que ser feito para ter uma equipe coesa e Hospitaleira. Assim se faz Hotelaria - Mesmo com apagão, imagina se não tivessem apagado.... rsrsrss.

    ResponderExcluir