terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Uma nuvem negra em 2014



Mario Cezar Nogales
Consultor Hoteleiro
contato@snhotelaria.com.br

É com grande prazer que retomo minhas narrativas sobre a hotelaria no Brasil, mas infelizmente as políticas e politicagens não estão trazendo meios melhores para nosso setor, apesar do sucesso do desempenho hoteleiro que vem crescendo pontinho sobre pontinho, isto ocorre pelo mercado interno que cresceu devido a melhoria de condições financeiras da maioria dos brasileiros. Digamos de passagem que este melhor desempenho do Brasil não reflete a atual gestão petista, mas sim de um plano elaborado lá atrás nos idos anos 80 com a abertura das portas brasileiras para o mundo. O que o PT fez foi apenas seguir o plano já elaborado, afinal de contas, quem é que não se lembra das brilhantes palavras de nosso presidente semialfabetizado antes de sentar na cadeira presidencial (que foi eleito sabe-se lá como, afinal de contas, nossas urnas não são confiáveis). Sua retórica era de que os Estados Unidos era o grande Satã e se não fosse a “queda” do muro, a retórica permaneceria e ele nunca seria eleito, mas não vamos entrar em detalhes, afinal de contas aqui falamos de hotelaria. 

Primeiro falemos de dados

Os números apresentados pelo governo são confiáveis? Aparentemente não, e se estamos na duvida é melhor não confiar, ora, quando analisamos os desembarques internacionais pelo banco mundial este apresenta que em 2011 a quantidade de chegadas internacionais foi de 5.433.000, quando buscamos a mesma informação no Mtur este número salta para 9.018.507, uma inflação de 40%, em qual número então confiar? Basta analisar a ocupação média hoteleira pra saber, analisem os números.
Se o crescimento nos desembarques tanto internacional como doméstico fossem assim tão grandes, os números em hospedagem com certeza seriam melhores e não há meios de hospedagens suficientes para cobrir a demanda originada pelas informações do Mtur, basta usar a lógica.






Agora falemos de gestão

Não é de desconhecido da maioria que, com raras exceções, ministros não são empossados pela sua competência na área que atuam, a grande maioria dos ministros são empossados muito mais por acordos políticos que por seu conhecimento na área e é por isso que sempre há uma lambança que nós cidadãos temos de “curtir” por algum tempo.

Nosso atual “ilustre e excelentíssimo ministro” Gastão Vieira como turismólogo ou hoteleiro é um excelente advogado, bom, pra quem já contratou uma profissional formado em direito para administrar seu hotel já sabe o que aconteceu (lembrando as raras exceções).

Não é a toa que minhas criticas e sugestões ao ministério são duras, afinal de contas os políticos são, acima de tudo, servidores públicos e devem servir a população e não se servir dela, não são autoridades, utilizam o poder que nós cedemos a ele para executar ações que melhorem o desempenho da nação, mesmo com medidas duras e antipáticas. O que não é o caso do Excelentíssimo Ministro Gastão Vieira, afinal de contas e segundo pesquisa realizada pela consultoria Gleisi Hoffmann e Cardozo e publicada na Revista Exame (http://exame.abril.com.br/brasil/noticias/nenhum-ministro-de-dilma-e-bom-veja-os-mais-bem-avaliados) este servidor público recebeu a seguinte nota: 

“...Treze ministérios tiveram notas vermelhas, abaixo de 5. Os piores foram: Turismo (Gastão Dias Vieira)...” 

Quando digo que nosso ministro Gastão Vieira em questões hoteleiras e de turismo denota inteligência curta, faz pouco juízo e às vezes parece tolo em suas palavras quando se dirige a hotelaria, é porque é fraco no conhecimento se tornando um pusilânime quando se utiliza a maquina governamental para tentar calar a este articulista. Falo sobre hotelaria com a autoridade de autor não somente de artigos e exposições de meu conhecimento, assim como de livros publicados, e nosso ministro fala de hotelaria com qual base? Vejamos seus argumentos: 

Segundo Gastão, não vai ter tabelamento das tarifas, "no entanto, garanto que os preços não serão abusivos", afirmou o ministro. 

“Desde o CADE [Conselho Administrativo de Defesa Econômica] até o Ministério da Justiça, há todo um conjunto de órgãos governamentais e uma legislação específica para punir esse tipo de abuso”. 

“Decidimos, juntamente com os empresários, que esses grandes eventos não podem ser atropelados por questões de mercado. Estamos nos reunindo c todos eles, em todas as cidades-sede. Estivemos em São Paulo, estamos hoje em Brasília e vamos viajar o país inteiro, antecipando os fatos.” 

E como se não fosse jocoso, em outubro de 2013... 

“O governo federal acompanhará, por meio de um comitê interministerial, os preços, tarifas e a qualidade dos serviços durante a realização da Copa do Mundo. Criada por determinação da presidenta de República, Dilma Rousseff, a instância será coordenada pela Casa Civil e terá a primeira reunião técnica na próxima semana, no dia 24.
Compõem o comitê as pastas que já estão envolvidas na organização do mundial, como os ministérios do Esporte, Justiça, Turismo e a Secretaria de Aviação Civil (SAC), com a inclusão dos ministérios da Fazenda (Receita Federal e Secretaria de Acompanhamento Econômico) e da Saúde (Anvisa). 

Segundo a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, o processo será pautado pelo diálogo, mas haverá monitoramento sistemático do comportamento dos agentes envolvidos em relação a preços, tarifas e qualidade dos serviços. “Não tabelamos nem tabelaremos preços, mas não permitiremos abusos. Vamos utilizar todos os instrumentos à disposição do Estado para garantir a defesa dos direitos do consumidor, seja ele brasileiro, ou estrangeiro”, disse. 

... Implantada a Policia da Tarifa Hoteleira

A pergunta é, como quase todos os ministros são empossados por sua competência politica, quem ganha com isto?

Primeiro, devemos nos lembrar de que vivemos num país democrático, pautado por ações de comercio e capital, logo, capitalista que se regem pelas praticas e condutas de mercado.

Segundo, também devemos nos lembrar de que o sonho do PT regido pelo foro de São Paulo, (assim como o Ministro do Mtur que é apadrinhado político de Sarney) é o de termos um estado ditatorial (assim como os coronelistas nordestinos) pautado sob a dinâmica comunista já a muito vencida por sua incompetência.

Terceiro, é de que há uma censura invisível aos olhos das grandes massas, artigos como este que escrevo nunca serão publicados em revistas especializadas uma vez que caso as publiquem os contratos de publicidade do governo sofrem ameaças de serem cancelados e democracia, acima de tudo, é discutir pontos antagônicos em prol do bem geral de todos (sem exceções).

Quarto: surge a pergunta porquê não há o mesmo empenho em controlar preços e tarifas abusivas em energia elétrica, agua, telefonia, veículos, produtos agrários, etc.?

A resposta aos questionamentos se nos parece simples...
Há uma grande nuvem negra pairando sobre estes aspectos...
E são poucos os que estão se manifestando...
E não se pode criticar o Governo...

Fontes de dados e informações 

Nenhum comentário:

Postar um comentário