segunda-feira, 30 de junho de 2014

Esta copa não era o que o seu hotel esperava?



Em plena oitavas de final e apesar do sucesso que vem tendo os jogos da copa de 2014 à hotelaria paulistana ainda não tem nada que festejar e isto se deve à própria copa em si já que a taxa de ocupação da cidade não aumentou na grande maioria dos hotéis e em vários casos até chegou a cair.


Motivos e avisos não faltaram para que a taxa de ocupação neste período se mantivesse de acordo com a sazonalidade do período, seja porque a copa começou na data de 12 de junho que é o dia dos namorados, uma das datas mais concorridas nos meios de hospedagem, ou seja, porque a FIFA cancelou a maior parte de seus allotments, mas o fato é de que muitos dos turistas de negócios que vem a São Paulo nesta época não o estão fazendo porque estão assistindo a copa em suas respectivas cidades.

Conversando com taxistas em feiras e exposições na cidade, assim como observando o numero de visitantes nestes eventos a reclamação é a mesma, a copa não trouxe o numero de visitantes que costumava ter em outros anos, os próprios taxistas dos pontos oficiais destes eventos reclamam de que nunca ficaram tanto tempo parados na fila esperando por um passageiro e mesmo quando há jogos na cidade este número, no lugar de crescer, diminui ainda mais.

Apesar de já ter demonstrado em artigos anteriores que mesmo com uma ocupação de 100% no período a copa não traria, em termos de vendas, um numero tão expressivo no resultado anual, agora com a realidade que se nos mostra a hipótese se transforma em fato, foi muita expectativa diante de algo quase nulo no que se diz em gestão hoteleira.

Mas não devemos ficar cabisbaixos em relação a este período, afinal de contas temos a outra metade do ano para atingir o budget e reverter à alta expectativa com a copa, afinal de contas a cidade de São Paulo não para e este evento demonstra mais uma vez que grande parte dos gestores hoteleiros ainda não entenderam de fato o que é a gestão de receitas ou revenue management.

Outro dia conversando, com alguns empresários, disse que no Brasil são raras as empresas que usam o método de revenue management em seus empreendimentos, nem mesmo as empresas aéreas nacionais a praticam, já que este método não se aplica somente a tarifas flutuantes sem que haja a contrapartida em custos e qualidade. Quando o método começou a ser utilizado pelas empresas aéreas norte americanas, seu fundamento sempre foi o de melhorar o retorno e a rentabilidade do negócio e estas, com a abertura de mercado, descobriram que poderiam mudar a aeronave de acordo com o numero de passageiros e assim vender passagens mais baratas com melhor rentabilidade já o revenue management em hotelaria tem apenas a particularidade de que o empreendimento não pode “mudar de aeronave” de acordo com o número de hóspedes, contudo tem tudo haver com custos e serviços atrelados à venda de hospedagem assim como a análise de vários outros dados estatísticos que vão desde o tipo de cliente e perfil de hospedes até o tipo de UH e preços praticados pelo mercado para que o tiro não saia pela culatra.

Assim sendo, você pôde observar que o perfil do turista que veio para assistir os jogos desta copa não é o perfil o qual estamos acostumados neste período, este tipo de turista vem para assistir exclusivamente aos jogos e devido aos preços dos ingressos pouco sobrou para desfrutar da cidade e dai você encontra a ocupação que deveria ser dos hotéis nos albergues, hostels, casas particulares e todo meio de hospedagem econômica ou super-econômica que muito pouco contribuem com a mesma quantidade de impostos ou exigências existentes aos hotéis, vejam a cidade de Porto Alegre quando recebeu os turistas argentinos, estes acamparam literalmente na cidade.

Atrele isto ao disparate feito pelo ministério do turismo na época que no lugar de vender o destino Brasil foi a caça as bruxas com relação aos preços dos hotéis e “voilà” a ocupação atual na cidade está dentro do esperado de acordo com as previsões corretas realizadas por qualquer um que utiliza o revenue management de forma intrínseca.

Agora que estamos escaldados, aquelas previsões maravilhosas que serão divulgadas para as olimpíadas de 2016 serão analisadas mais profundamente assim como as previsões de excessos de oferta hoteleira para os próximos anos e assim desejamos a todos uma Feliz Copa 2014 e boas festas para a crise hoteleira vindoura no segundo semestre de 2016.

Mario Cezar Nogales
Consultor Hoteleiro

Um comentário:

  1. Não esquece que o que propagam por aí como revenue management, é apenas e tão somente feito por meia dúzia de pessoas nas quais não nos quisemos incluir, com o intuito de vender ferramentas caras e obsoletas que não se sustentam sem um sistema, e o sistema em si o mercado nacional pouco ou nada conhece - E te garanto conversei com pessoas que fizeram o meu curso e o resultado de ocupação não foi os 100% que nunca deixei ninguém se iludir mas a DM espantou-nos ou seja eles são se preocuparam com a Ocupação que nada tem a ver com Revenue e sim com Rentabilidade - Lembra-te que uma das nossas máximas é: Não se preocupe em ser o campeão em taxa de ocupação, preocupe-se em ser o MELHOR EM RENTABILIDADE. Mas um dia aprendem.

    ResponderExcluir