terça-feira, 14 de julho de 2015

Crescimento Hoteleiro em 2015

Bom dia Caros leitores, após ler uma notícia da UNTWO sobre o crescimento do turismo em 2015 no primeiro quadrimestre do ano e com os dados de que nas Américas houve um crescimento de turistas estrangeiros na casa do 8%, fui verificar os números da hotelaria em nossa grande nação, pasmem, os números não são bons.

De acordo com as informações coletadas pelo FOHB fiz um comparativo do primeiro quadrimestre deste ano com o ano anterior e aqui vão os resultados:

Brasil (-)
Ocupação: queda de 3,8 pontos percentuais
ADR: Aumento 0,92%
RevPAR: queda de 5,31%

Região Centro Oeste (-)
Ocupação: queda de 6 pontos percentuais
ADR: queda de 3,19%
RevPAR: queda de 12,95%

Região Nordeste (-)
Ocupação: queda de 1 ponto percentual
ADR: queda de 1,75%
RevPAR: queda de 3,28%

Região Norte (-)
Ocupação: queda de 6,2% percentuais
ADR: queda de 0,10%
RevPAR: queda de 12,18%

Região Sudeste (-)
Ocupação: queda de 4,2 pontos percentuais
ADR: aumento de 1,81%
RevPAR: queda de 5,05%

Região Sul (-)
Ocupação: queda de 3 pontos percentuais
ADR: aumento de 3,2%
RevPAR: queda de 1,63%

Como é possível observar, a amostragem realizada pela FOHB em seu relatório INFOHB que pode ser adquirido no site da Federação demonstra uma queda em todas as regiões tanto no que diz receitas quanto a volume de vendas, enquanto isto o MTUR em seu boletim de desenvolvimento do turismo relata: “ Em jan.-mar./2015, o resultado do , em comparação com o auferido no quarto trimestre de 2014, revelou aumento em 17% no consolidado das atividades características do turismo, estabilidade em 7% e diminuição em 76% - o saldo de respostas, correspondente à diferença entre as assinalações de incremento e as de queda foi de -59%. O único segmento em que foi apurada inalterabilidade foi o de operadoras de turismo (saldo de -3%), enquanto que os menores percentuais de saldos foram computados nos ramos transporte aéreo (-100%), organizadoras de eventos e parques e atrações turísticas (em ambos, saldos de -62%). ” Relata o relatório também acessível na página do MTUR (BDET-46-2).

Pontos a considerar

Com a retração da economia, os brasileiros que viajavam estão guardando suas poupanças e reduzindo seus gastos com viagens e hospedagens.
A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) divulgou no dia 13 de maio de 2015 um ranking mundial de qualidade de educação. Entre os 76 países avaliados, o Brasil ocupa a 60ª posição. Em primeiro lugar está Cingapura, seguido de Hong Kong e Coreia do Sul. Na última posição está Gana.
Outro relatório mostra que de cada cem homicídios em todo o mundo por ano, pelo menos 13 ocorrem no Brasil, o índice foi revelado pela Organização Mundial de Saúde a OMS no primeiro levantamento sobre a violência no planeta divulgado em Genebra em 2014 e segundo este relatório o Brasil lidera o ranking em números absolutos.
Logo, caro leitor, pelos dados indicados é mais seguro viajar para o Afeganistão que para o Brasil, assim como o brasileiro em si tem pouca cultura e ensino, logo e após 12 anos da gestão governamental nos transformamos naquilo que nossos presidentes o demonstram, somos limitados no raciocínio e violentos, olhando por este foco, quem de fato irá quere investir ou viajar para o Brasil?


Qual é a saída?


Enquanto não conseguirmos melhoras dos índices com ensino e segurança no país será difícil termos alguma melhoria de fato tanto na hotelaria quanto no turismo em geral e é nessa hora que a gestão por receitas deve ser primada, muitos confundem Gestão por Receitas ou “Revenue management” apenas com tarifas flutuantes o que não é o caso, e devo lembrar que este estilo de gestão justamente firmou-se com uma crise na aviação norte americana o que fica o fato de que “em tempos de vacas gordas qualquer um consegue bons resultados” e é neste momento que podemos visualizar e separar os competentes dos medíocres.

Quer melhorar o desempenho de seu hotel?

Um comentário:

  1. E segue Gestão por receitas e Revenue Management em princípio uma é a tradução da outra - o que o Brasileiro está demorando para entender é que aquilo a que por aqui chamam de (revenue management) é apenas e tão somente (distribuição e uma pequena e mal colocada parte de tarifas flutuantes) uma parte da Filosofia do Revenue management já que Gestão de Receitas é Uma Filosofia de gestão - Mas os que não querem ou não conseguem entender estão em tempos de "crise" mudando de profissão.Há outras opções

    ResponderExcluir